Renascer Praise se apresenta no Teatro Municipal do Rio de Janeiro

Teatro é um dos mais tradicionais do país, mas enfrenta problemas financeiros


Renascer Praise se apresenta no Theatro Municipal do Rio de Janeiro

A banda Renascer Praise esteve na cidade do Rio de Janeiro nesta quinta-feira (5) para se apresentar no Teatro Municipal. O show, cujo título é Renascer Praise In Concert, visa comemorar o lançamento do álbum Betel, originalmente distribuído este ano pela gravadora Universal Music.

Segundo informações divulgadas pela gravadora e por veículos de imprensa, foi a primeira vez que um grupo evangélico se apresentou no tradicional teatro, normalmente utilizado para concertos de ópera e apresentações de balé.

Além das canções inéditas do vigésimo álbum do conjunto paulista, a banda também apresentou sucessos e as três regravações de seu disco mais recente: “Plano Melhor”, “Promessa” e “Na Força do Louvor”, originais de projetos mais antigos.

Apesar do teor inédito da apresentação, o show evangélico causou certa controvérsia nos bastidores para os artistas do teatro. O local, ligado à Secretaria de Cultura do estado do Rio de Janeiro, está com salários atrasados por conta da crise financeira. Assim, artistas locais não tem tido recursos para espetáculos.

Conforme divulgado pelo Estado de S. Paulo, a instituição se defendeu afirmando que o local “é alugado para arte e cultura, sem preconceito”. O teatro, em outras ocasiões, já recebeu apresentações de artistas católicos, um congresso espírita e um musical gospel norte-americano.

“O Teatro Municipal do Rio é um espaço cultural democrático, com foco nos espetáculos eruditos. Além de sua temporada de produções próprias, abriga eventos dos mais diversos segmentos em seu palco, que pagam à casa um aluguel pelo uso do espaço”, justificou a secretaria.

“O valor do aluguel, a partir de uma decisão da atual gestão, assim como a bilheteria dos espetáculos, está sendo utilizado para complementar o pagamento dos servidores do próprio teatro, sendo fundamental para o enfrentamento da crise financeira do Estado”, acrescentou.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Ação Cultural do Estado, Pedro Olivero, fez críticas à situação financeira do Rio de Janeiro. “Ninguém está feliz com isso, com as condições atuais. A gente queria ópera, balé, concerto, isso, sim. Se não tem, então aluga-se o espaço”.

 




Deixe seu comentário!