“Foi um marco na nossa história”, diz Luiz Arcanjo sobre Marca da Promessa

Marca da Promessa, um dos discos de maior sucesso do Trazendo a Arca, completa 10 anos este mês


"Foi um marco na nossa história", diz Luiz Arcanjo sobre Marca da Promessa

Em junho de 2007, o Trazendo a Arca lançou o álbum Marca da Promessa que, naquele ano, foi o álbum evangélico mais vendido no país. Apesar dos entraves judiciais que os músicos viviam depois da cisão com o Toque no Altar, o grupo conseguiu virar a página e ganhou as paradas com hits como “Marca da Promessa”, “Sobre as Águas” e “Na Corte do Egito”.

Em entrevista ao Gospel Prime, Luiz Arcanjo, vocalista e responsável pela maioria das composições da banda, relembrou o período vivido pelo grupo naquela época. O intérprete lembra que algumas canções do projeto eram sobras do álbum Olha pra Mim (2006) que não entraram no trabalho anterior, e classificou o período como “produtivo”.

“Acho que não pensávamos muito sobre a obrigação de fazer um próximo CD melhor. A coisa simplesmente fluía”, afirmou o intérprete. O disco, produzido por Ronald Fonseca, recebeu um tempero pop maior em relação a Olha pra Mim. “Nunca tivemos medo de ousar e a cada CD sempre buscamos elementos novos, e no Marca da Promessa não foi diferente”.


  Psicólogo ajuda cristãos a vencer o vício da pornografia


Acerca da menor quantidade de faixas do trabalho, Luiz disse que toda a questão de repertório foi previamente pensada e não teve nenhuma relação com os conflitos judiciais. “Simplesmente vimos que muita gente naquela época estava lançando discos com 8 ou 9 músicas e não nos sentimos na obrigação de fazer um CD com 12 faixas”, contou.

Quase todas as canções destinadas ao álbum Marca da Promessa foram utilizadas. De acordo com o cantor, “Caminho de Milagres” chegou a ser gravada, mas somente entrou para o disco Pra Tocar no Manto, de 2009, em uma outra versão. A gravação original, feita em 2007, acabou se popularizando na internet e ainda pode ser encontrada no YouTube.

Duas canções no projeto são regravações, embora composições autorais dos integrantes da banda. Os músicos cederam “Na Corte do Egito” (Luiz Arcanjo/Deco Rodrigues) para Fernanda Brum e “Sobre as Águas” (Davi Sacer/Luiz Arcanjo/Ronald Fonseca) para Soraya Moraes. As cantoras lançaram as músicas em 2006, mas as gravações do Trazendo a Arca atingiram maior notoriedade entre o público.

Marca da Promessa foi um sucesso imediato. Vendeu, em um ano, cerca de meio milhão de cópias, fez a banda se apresentar em diferentes países, como Japão, Estados Unidos e Israel, e aparecer em programas de televisão, como o Programa Raul Gil, num período que ainda não existia tanta abertura para artistas evangélicos na TV aberta.

Do Programa Raul Gil, em que os integrantes receberam um disco de platina do álbum Marca da Promessa, Arcanjo tem suas memórias. “Lembro que foi uma grande surpresa e alegria receber o convite do programa. Recebemos das mãos do senador Magno Malta o disco de platina e tivemos a oportunidade de falar de Jesus pro Brasil”.

Entre as glórias vividas pela banda naquele período, as várias vitórias no Troféu Talento em 2008 e o DVD Ao Vivo no Maracanãzinho, foram sinais de uma segurança adquirida pelo conjunto em meio às dificuldades. “Apesar do tempo conturbado que enfrentamos naqueles dias, as canções daquele CD tocaram o Brasil e esse êxito nos deu confiança pra ousar. O DVD do Maracanãzinho foi uma das coisas mais ousadas que fizemos e também foi um marco na nossa história”, afirmou Luiz.

Questionado se o Trazendo a Arca pretende, em algum momento do futuro, produzir uma versão comemorativa do álbum, Luiz não descartou chances. “Quem sabe! Ainda não pensamos sobre isso, mas vamos estudar essa possibilidade”, finalizou o cantor.




Deixe seu comentário!